Tag: arquivo

The most influential games of the decade

The most influential games of the decade, por Gene Park , Elise Favis e Mikhail Klimentov

“From the introduction of groundbreaking in-game elements to refining how games make money, these are the titles that made the biggest impact on both players and the industry since 2010.

Gaming is now humanity’s favorite form of entertainment, and the medium’s legacy was cemented this past decade. While the early 2000s saw video games honing their ability to tell stories and build worlds in 3-D, this last decade built off those nuts and bolts of game making and propelled the medium toward bigger ambitions like open-world design, virtual and augmented reality and an influx of new genres such as battle-royale multiplayer.

Video games have experienced a rapidly changing landscape in technology, business models (i.e. microtransactions and the sale of seasonal battle passes), and its market which now includes more female gamers and an older average audience. We’ve seen an increase in diversity in games themselves, too, from the varied races and backgrounds for characters in Overwatch to blockbusters like Horizon: Zero Dawn, which features a headstrong female lead.

This past decade achieved several milestones with its wide array of games. Some, like Red Dead Redemption 2 and Legend of Zelda: Breath of the Wild, are titles that we believe will have a lasting impact on the gaming world for years to come. While these were taken into consideration for this article, we haven’t seen their influence fully resonate just yet, as open-world games take years to polish before they’re shipped and the next generation is still on its way.

So, which games have made the biggest mark on the industry from 2010 through 2019? After much deliberation, here is a list of titles we believe aren’t just quality games, but ones that have shaped the medium and continue to do so in extraordinary ways.

2010 Amnesia: The Dark Descent
Video games are often known for being power fantasies. Even the game that popularized survivor horror, Resident Evil, gave you a rocket launcher and an exploding mansion as its coda. Indie studio Frictional Games dared to make you powerless, with just a lantern in hand to light the way.

It gave you no methods of attack. Hiding in the dark would make you lose your sanity. And don’t even think about glancing at the creatures that stalk you. Amnesia was an unrelenting assault of nightmares. You stand in a flooded basement and see ripples in the water, realizing you’re stuck in there with an invisible horror. All this was a breath of fresh air for a genre whose default dynamic was to slash/shoot/explode your way through terror.

Early this century, publishers were wary of funding survival horror games, and the best franchises were either abandoning the genre (like Resident Evil) or were left abandoned on the roadside (like Silent Hill). Amnesia inspired the phenomenon of horror with a first-person camera perspective, including Alien: Isolation, Outlast and the ill-fated P.T., the “playable teaser” for the infamously canceled Silent Hills directed by Hideo Kojima and Guillermo del Toro.

We are living in Hideo Kojima’s dystopian nightmare. Can he save us?

Amnesia also helped launch the careers of the Internet’s most influential personalities today, most notably PewDiePie. With 102 million subscribers, Felix Kjellberg initially gained viral attention by freaking out over the game, especially the water scene described above. These videos also boosted interest in the game, and publishers noticed. And gamers realized that playing and reacting to horror games was a great way to get views on YouTube. A new celebrity class was born, and the Internet hasn’t been the same since.

2010 Minecraft
What genre is Minecraft? If you call it a survival game, you neglect the sizable portion of its player base which spends its time futzing about in the creative mode, or building elaborate trick doors with redstone. The compromise pick would be to call it a sandbox, but that just takes us back to square one. A sandbox is a blank canvas.

Minecraft represents, in the history of gaming, the ultimate blank canvas. It is The Everything Game by merit of the perfect simplicity of its base formula: building with blocks.

We shouldn’t make the mistake of thinking that The Everything Game just appeared, one day, fully formed. One of Minecraft’s most enduring legacies is the early access model. In the immediate wake of Minecraft’s success, gamers enjoyed an early access boomlet, where players got unprecedented say over future development. It’s not hard to draw the line from indie games in early access to the AAA rebranding of the term “games as a service,” discussed a little later in this article with a look at Destiny, this trend’s most apparent beneficiary.

Few games better encapsulate the 2010s than the ever-popular Minecraft. Analogues and echoes of the decade’s most pressing questions can be found somewhere in its story. The game provided an ideal medium for content creators, who would toil and shape and star in productions that elevated them to stardom and turned YouTube into a juggernaut. Minecraft Let’s Plays picked up the torch after Halo 3 machinima died down, arguably spawning streaming culture. Before Fortnite finally pushed its top creators into the pantheon of celebrity, Minecraft laid the foundation.

We see too the darker trends around social media and celebrity. Minecraft’s most famous creator, Markus Persson, better known as Notch, became the prototypical too-rich, too-disconnected-and-too-online guy, emblematic of a decade dominated by Kanye West and Elon Musk.

Other games will come for Minecraft’s crown. Fortnite has made its bid — but absent a base mode with Minecraft’s flexibility, it has leaned wholly into entertainment and brand collaborations. Minecraft is singular. In the context of the 2010′s, it was a forerunner, the canvas on which, in retrospect, some of the biggest challenges and changes of the decade see their clearest expression.

2011 Dark Souls
Eventually, every video game is compared to Dark Souls. Comparing anything to Dark Souls was a pervasive meme, but in every meme lies some truth. Yes, Dark Souls provided the template for the “Souls-like” genre, games that harshly punish you and set you back for failure. But ideas about player progress, online interactions and environmental storytelling eventually made its way to the rest of the industry.

With no direct contact with each other, players could leave messages, warnings and other thoughts to lift others going through the same, harrowing experience, planting the seed for Hideo Kojima’s grand vision for player interaction in this year’s Death Stranding. Star Wars Jedi: Fallen Order, the best Star Wars game in the last decade, wasn’t shy about its Souls inspiration. And with its exhausting difficulty, From Software challenged and asked us to redefine the very concepts of “fun” and “reward.” It forced us to earn every inch of progress by learning from our mistakes.

Star Wars Jedi: Fallen Order is a good game. So why am I so unhappy playing it?

The game’s story seemed impenetrable at first, but years of analysis has revealed a game layered in mythology and meaning. Every item and enemy is placed with intent. Every room and staircase has purpose. And From Software left out just enough details to spur our imagination, inspiring hundreds of Internet bards to tell tales of their own adventures and the meaning they derived from the game. For some, it was an allegory about the will to survive during depression. For others, it was a nihilistic nightmare railing against the aging belief systems of humanity.

But ask anyone who beat it, and they likely won’t talk about the graphics or the sound or the controls. Dark Souls is the decade’s greatest reminder that video games are more than just stories being told: they are personal, lived experiences.

2011 Skyrim
The fifth Elder Scrolls game from Bethesda Studios became the benchmark for role-playing adventures games in the last decade. While it was really just an evolution of the previous four games, fantasy games went mainstream in a way they never had before Skyrim. Skyrim is, for many, the American role playing game’s Final Fantasy 7. And it was the mother of a thousand memes.

Todd Howard, creative director of Skyrim, said the team hoped Skyrim would enter the pantheon of timeless fantasy worlds.

“The game reflects back on the player as much as possible, ‘who would you be, what would you do in that world?’” Howard said to The Post. “That’s the thing games do better than other entertainment.”

And the game was everywhere, with Howard appearing at news conferences for every known tech company to announce a new version of Skyrim.

But Skyrim caused an explosion in the community modding scene. As Bethesda finally moved on to other games, Skyrim’s players kept the game alive by turning dragons into Thomas the Tank Engine or Macho Man Randy Savage. No other offline game was so online.

If Skyrim seems like the game that just won’t die, it’s because its players refuse to let it die.

“It’s incredible to see so many [people] still playing, even after eight years,” Howard said. “We still marvel at what people are able to do with the game. Maybe that’s why it’s endured for so long.”

2012 Candy Crush Saga
Candy Crush Saga’s humble beginning as a Facebook game makes sense, considering no other title on this list has been as disruptive to the business of selling video games. Candy Crush Saga popularized the “freemium” model within the mobile gaming market: Give the core gameplay away free, but charge for peripheral virtual items that either enhance, quicken or beautify the player’s experience. It married online shopping and gaming to the point where the two were indistinguishable. Mobile gaming eventually created “pay to win” games, referring to video games insidiously designed to slow your progression, encouraging you to pay to win. It is one of the industry’s most despised — and most profitable — practices.

Although a single-digit percentage of players were making these purchases, half a billion people had the game just one year after it released. By 2017, it was downloaded by a third of the human race, at 2.7 billion. Thanks to this small percentage of billions, developer King raked in millions a month.

Activision Blizzard’s purchase of Candy Crush Saga’s Swedish developer in 2015, for $5.9 billion, immediately made it the biggest game publisher in the world. And soon the wildly successful freemium model started to creep into the PC and console space, shaping some of the other games on this list.

It helps that the game is colorful, fun and constantly engaging. Dark Souls and Candy Crush represent the two extreme ends of the gamer populace: casual and hardcore gamers. And regardless of whether they’re aware of it, Candy Crush Saga turned millions of unsuspecting people into gamers.

2012 The Walking Dead: Season One
Reviving adventure games is no small feat, but Telltale’s The Walking Dead was one of the major players that helped reinvigorate the genre. The game told the story of young Clementine and her friendship with Lee, a man whose story began in handcuffs until a zombie apocalypse broke out. The two venture out on a heart-wrenching journey together as they attempt to survive a crippling world’s harsh realities.

Before its release, “adventure games are dead” was a common sentiment in the games industry. The genre had its golden era in the 1980s and early ‘90s, but it then quickly dwindled in popularity. Sales of subsequent adventure games often fell flat, including LucasArts’s Grim Fandango, despite its cult following. Telltale’s The Walking Dead, against all odds, changed everything: It spurred similar games like Life is Strange, Firewatch and Oxenfree — some of which were made by former Telltale developers themselves.

Dontnod Entertainment, the creators of Life is Strange, believes that without The Walking Dead its own choice-driven adventure game may have never existed.

“When we worked on the first Life is Strange, games like The Walking Dead and Quantic Dream’s Heavy Rain were influences for us,” co-director Raoul Barbet said in a phone interview with The Washington Post. “It especially showed us that there was a will from the player to have some games based on choice and storytelling. So I definitely think that without those games, we might not have ended up creating Life is Strange.”

The Walking Dead was a big hit financially, too, popularizing the release of updates in episodic form for far less money than the typical price tag of $60 for a full game. Within its first 20 days of release, the first episode (five were released in total) sold one million copies. In early 2013, Telltale had earned approximately $40 million in revenue solely from the debut season.

The Walking Dead showed the games industry that there was a hunger for deeper, stronger, and choice-driven storytelling, and it became one of Telltale’s crown jewels — one it tried to replicate time and time again, until the studio closed down in late 2018. The studio isn’t completely gone, however: A new iteration of Telltale is now working with independent studio AdHoc (made up of ex-Telltale designers) to produce the once-cancelled The Wolf Among Us 2.

2014 Destiny
Recent years have introduced the concept of video games as a service or “live service games.” Destiny crystallized that model, despite its early missteps.

When released, reviews of Destiny were harsh. Activities were boring, the loot was inadequate, the story was nonsense. Destiny’s disastrous launch was an omen that these persistent “games as a service” titles will be really hard to not only make, but maintain. Destiny’s early missteps were repeated not only by its competitors, but even by Bungie itself for Destiny 2.

But Bungie would right the ship, which also demonstrated the beauty of the “games as a service” model. The developers responded to community feedback and ultimately chiseled the game into something closer to its original vision of a “shared world shooter.” Seasons changed its evolving and expanding story, and Bungie introduced challenges to give anyone a reason to log in every day.

“I vividly remember first hearing about Destiny as a Bungie employee,” said Luke Smith, game director for Destiny 2. “[Co-founder] Jason Jones said the next game was going to be a hobby, like golf. The hobby construction of a game immediately resonated with me. Community and a return to aspects like what we saw in World of Warcraft in a shooter? That was all I needed to hear to get in.”

Destiny 2 is now free, and remains one of the healthiest, vibrant communities, as it won The Game Award in 2019 for best community support. The story of gaming’s decade is incomplete without Destiny turning its high-profile failure into an ever-moving goal post for anyone else who would dare to mimic Bungie’s aspirations.

2015 The Witcher 3: Wild Hunt
The world of The Witcher 3 is so large it can be almost daunting, but this magnitude set a new standard for open-world design. Its sprawling narrative seamlessly fits inside the world, both through emergent storytelling and scripted moments, as you travel from one village to the next. During development, creator CD Projekt Red looked to Skyrim, which released just a few years beforehand, as inspiration. But they didn’t want to just copy what Skyrim got right.

“We drew inspiration from a whole range of titles, and Skyrim was definitely among them; it was the benchmark for open-world games back then,” The Witcher 3 writer Jakub Szamałek told The Post. “At the same time, while there’s a lot to learn from the folks from Bethesda, we knew we didn’t want to simply copy their game. Most importantly, we put a much greater emphasis on the narrative aspect of the game.”

The Witcher 3 tells the story of Geralt, a powerful monster-killing sorcerer who makes his way through a medieval-inspired land to find a young woman named Ciri. Depending on your choices — and some can be heart wrenching — the world adapts around you. It also features side quests that are as meaningful as the main line quest, bringing depth to every corner of the game’s immense world. Most of all, The Witcher 3 set the high bar for storytelling in subsequent open-world games like last year’s Red Dead Redemption 2, dispelling the notion that open worlds and quality storytelling couldn’t coexist.

“I guess before The Witcher 3, it was commonly assumed that ambitious narratives and open world games don’t mix well: you can have one, but not the other,” Szamałek said. “I think we demonstrated that while it is difficult, as well as time- and resource-consuming, it’s within the realm of possibility. Over the past few years we’ve seen more games that combine sprawling open worlds with well-crafted stories, and if in some small part it is due to the success of The Witcher 3, well, I couldn’t be more pleased, both as a game developer and a gamer.”

2016 Pokémon Go
When discussing the influence of Pokémon Go, it’s best to address the question of augmented reality (AR) upfront, so here goes: Pokémon Go is the clearest evidence of AR’s irrelevance.

When the game came out, the hype was tremendous. With its massive success (over 540 million downloads to date), Pokémon Go was the game that launched a thousand decks, prompting questions from every tech, media and software company as to how AR could factor into its work. And then the hype died down. It is funny, in retrospect, that AR’s killer app is such a capitulation. The game allows you to turn off its AR capabilities, and frankly, is all the better for it. Nobody wants to be the overeager jerk on the subway platform, sweatily pivoting back and forth trying to find the Pidove hiding among the commuters.

Worse yet, Pokémon Go is an obvious and not particularly artful exploitation of a beloved childhood property. We’ll see more and more of this over time (Exhibit A: Niantic’s Harry Potter game). And so its true influence isn’t really anything in the game — neither technology nor license. It’s in what the game demands of you: Pokémon Go is a game that’s meant to be played in between doing other things. You’re at a Starbucks, so might as well check into the Poke Stop. Think you’ve walked enough to hatch your eggs? Better check back in. It’s gaming in the micro-moments of your day.

But now, the twist: So many people, and people you would not expect, still keep up with Pokémon Go. Plenty of folks have found routine and comfort in the game. There’s something concerning, but also weirdly resilient, about finding nourishment in gruel so thin.

Pokémon is everywhere now. Long live Pokémon.

Pokémon Go is the “I’m always listening to podcasts or music because I don’t want to be alone with my own thoughts” of games. It’s unlikely that we’ll see many one-to-one Pokémon Go clones in the future. Instead, we’ll be besieged by games that try to cram themselves into the quiet moments and spaces of everyday life.

2017 Fortnite
No, Fortnite is not on here because it popularized the battle royale genre. Fortnite’s best-known mode is itself a result of the popularization of the genre, thanks to PlayerUnknown’s Battleground. But once Epic Games successfully aped the formula, Fortnite found new ways to keep players engaged. The game was free, but the battle pass system kept players subscribing every few months to log on and garner new rewards. Thanks to several controversies that coincided with the rollout of the game’s battle pass, the loot box practice of offering surprise rewards for real money became a pariah of the industry.

Fortnite offered 100 tiers of rewards for only $10 every few months in a “season,” and players got to see everything they would win along the way. The transparency and low commitment cost kept players coming back and — combined with direct payments for skins and other cosmetics offered outside of the battle pass — suddenly the industry found a winning formula. Soon, everyone from Call of Duty to Halo to Overwatch had a similar battle pass system.

Then there was the spectacle of the game. Every season would end with a global event witnessed by millions over streaming platforms like Twitch, elevating personalities like Tyler “Ninja” Blevins, Turner “Tfue” Tenney, Soleil “Ewok” Wheeler and many others alongside the game. Both the streamers and Fortnite smashed through screens and into the mainstream — and ultimately helped people like Blevins and Wheeler ink exclusive streaming contracts worth millions.

Over the last three years, Fortnite was everywhere. At one point, it boasted more than 200 million players a month, and became the biggest pop phenomenon of 2018. World Cup goals were celebrated with Fortnite dances. Former first lady Michelle Obama even did a dance. Major sports leagues worried about players not sleeping or training because of the game. It held an in-game concert, and then, this December, an in-game screening of a scene for the new Star Wars movie — the latest pop-culture crossover event for a game that’s also featured Netflix series “Stranger Things” and Marvel’s Avengers movies.

Epic Games declined to discuss Fortnite’s legacy, citing — as its team often does — that it prefers to let the game speak for itself. At the end of the decade, Fortnite is still speaking in volumes.

+infos(origem do texto): LINK 

+infos(washington post): https://www.washingtonpost.com/video-games/

Tags : ,

Como os videojogos podem ajudar-nos a entender quem vive com demência, por Karla Pequenino, no Publico

Os videojogos podem ajudar a perceber melhor os desafios de quem vive com demência, desde a solidão da doença à confusão recorrente e ao foco no passado. Exemplo disso é o Back Then, um videojogo desenvolvido em Portugal que é um dos 10 finalistas do concurso PlayStation Talents e estará em exposição, esta semana, na Altice Arena, em Lisboa.

Quando a luz se acende, não sabemos quem somos, não nos conseguimos mexer e não sabemos porquê. Se tentarmos caminhar para a porta à nossa frente, não conseguimos. Estamos fechados num pequeno quarto com paredes bege e chão de madeira: à nossa esquerda, uma cama e uma pequena janela; à nossa direita, uma guitarra e um rádio. Ao fundo, ao lado de um frasco de comprimidos (não conseguimos decifrar o rótulo) vê-se uma fotografia a preto e branco de um jovem casal. Ao olhar para baixo, encontramos uma cadeira de rodas. A única forma de percebermos o tempo a passar é o escurecer do dia do lado de fora da janela.

O cenário faz parte dos sete minutos iniciais do protótipo de Back Then, um videojogo do jovem português Rúen Pereira que tem o objectivo de alertar para o dia-a-dia de idosos com demência, ao colocar o jogador na pele de uma pessoa com Alzheimer numa cadeira de rodas, a tentar dar sentido ao seu dia. É um dos dez finalistas dos Prémios PlayStation Talents 2019, em exposição no espaço IndieX – um espaço dedicado a exibir o melhor dos videojogos independentes da feira Moche XL Games World, que acontece entre 14 e 17 de Novembro, na Altice Arena, em Lisboa.

O Back Then, de Rúben Pereira, nasceu no começo do ano durante uma global game jam, uma espécie de maratona em que criadores de videojogos se juntam durante 48 horas para desenvolver novas ideias num curto período de tempo. “Tínhamos de programar um jogo em torno da palavra ‘casa’ e a minha equipa teve a ideia de explorar a negligência que há em Portugal para com idosos que sofrem de demência”, contou Rúben, de 22 anos. “Todos nós conhecíamos casos de familiares ou pessoas com demência.”

Ruben Pereira (direita) e a equipa que começou a desenvolver o jogo durante uma Global Game Jam OUTRIDERS

A principal missão da equipa — que começou com um grupo de quatro antigos estudantes da Escola de Tecnologias Inovação e Criação (ETIC) e evoluiu para o estúdio independente Outriders – é mostrar os problemas, frustrações e desafios de viver com demência. Portugal é um dos quatro países com maior prevalência de casos de demência entre a população, segundo um relatório divulgado este mês de Novembro pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

“A história de Back Then não é sobre ninguém específico, mas há elementos inspirados nos nossos familiares”, admitiu o jovem português. No caso de Rúben, é a bisavó Laurinda. “A primeira coisa que a minha avó faz quando acorda é ler o diário, onde regista notas sobre o dia-a-dia”, disse. “Por isso, a forma de guardar o progresso do jogo é escrever num diário sobre aquilo que já se aprendeu.”

O videojogo tem como base a experiência da equipa Outriders com familiares com demência OUTRIDERS
Jogar para eliminar o estigma
O jogo português não é o único a explorar a temática. Nos últimos anos, vários estúdios independentes têm tentado usar videojogos para partilhar os desafios de viver com distúrbios mentais e demência com o apoio de psicólogos e investigadores. “[Os videojogos] podem dar mais destaque às doenças mentais, educar as pessoas sobre as causas, ensiná-las a perceber e reconhecer sintomas, promover discussão sobre o problema e promover ‘empatia’ de terceiros”, lê-se nas conclusões de um artigo académico do Departamento de Psiquiatria e Neurociências Comportamentais da Universidade de McMaster, no Canadá.

Exemplo disso é Before I Forget , um jogo desenvolvido pela designer de narrativa britânica Chella Ramanan com o apoio do 3-Fold Games, um estúdio de videojogos independente no Reino Unido. Tal como o português Back Then, o jogo de Ramanan põe-nos na pele de alguém com demência. A protagonista é Sunita, uma cosmologista de sucesso que está a lidar com demência precoce. Mas, mais do que pôr os jogadores a descobrir a história da personagem, o jogo mostra alguns dos sintomas mais frustrantes da doença. Por exemplo, é muito fácil para Sunita perder-se na própria casa ou em memórias do passado. É impossível encontrar a casa de banho, quando todas as portas que se abre vão dar ao mesmo armário escuro. Mesmo quando, como jogadores, sabemos que esse não era o layout da casa durante os primeiros minutos do jogo.

Em Before I Forget, a protagonista é Sunita uma cosmologista de sucesso com sintomas de demência precoce 3-FOLD-GAMES
Viver a doença
“O objectivo da sequência da casa de banho é ser frustrante”, explica ao P3 Chella Ramanan. “Normalmente, os criadores de videojogos evitam deixar os jogadores frustrados, mas aqui queria mostrar como é viver com a doença. E não se lembrar onde algo está na própria casa é algo que vai deixar alguém frustrado e confuso, e até com vergonha.”

Ramanan espera que os jogadores se sintam assim. “Os jogos são normalmente aventuras de fantasia e poder com heróis capazes. O meu jogo retira esse sentimento”, explica a britânica. “Sunita está frequentemente sozinha e muitas vezes tem medo. É uma viagem solitária.” Por vezes, Sunita também começa a ouvir sons estranhos ou imagina buracos assustadores ao fundo do corredor. “Os doentes com demência podem ter alucinações auditivas e visuais que os impedem de realizar coisas simples. Há vários mecanismos que introduzimos para representar os desafios”, partilha.

Alucinações são um dos sintomas de demência que “Before I Forget” explora 3-FOLD GAMES
Há ainda pistas deixadas pelos familiares e pela própria Sunita em todo o lado. Desde um post-it sobre a data a contactos de emergência, e a recortes de eventos importantes (por exemplo, uma revista de ciência da década de 1970 em que Sunita aparece na capa).

Para criar o jogo, a britânica contou com o apoio de médicos especialistas, incluindo da organização Gaming the Mind, uma equipa de profissionais que está a olhar para a relação entre videojogos e saúde mental. “Nestes jogos, é fundamental não apresentar a mente de alguém com demência como um puzzle a resolver. Isto pode trivializar a doença”, diz ao P3 o psiquiátrico britânico Sachin Shah, que integra a Gaming the Mind. “É mais significativo representar as dificuldades reais que pessoas com demência têm, como as dificuldades em tomarem conta de si mesmas, dificuldades sociais em obter ajuda, enfrentar o isolamento e manterem-se financeiramente estáveis.”

Além de vê-los como uma ferramenta para diminuir o estigma de quem sofre de demência, a associação segue vários projectos de investigação na área. Exemplo disso é o jogo Sea Hero Quest, disponível para Android e iOS, que junta informação sobre a eficiência dos jogadores a decifrar mapas, puzzles e exercícios de lógica para investigar mais sobre demência.

“Uma das coisas importantes em jogos que alertam sobre demência é mostrar que as pessoas com estas condições podem viver bem durante muito tempo, e mostrar o papel dos familiares e amigos na manutenção de laços sociais”, acrescenta Shah.

Before I Forget tenta mostrar algumas técnicas e ferramentas para ajudar pessoas com demência 3-FOLD GAMES
Em 2018, um estudo da Universidade de Tilburg, na Holanda, com base no jogo educacional D’mentia – uma experiência de realidade virtual desenvolvida em 2010 – revelou que os jogadores (todos cuidadores de pessoas com demência) tendem a aumentar o seu conhecimento sobre a condição.

O apoio de profissionais de saúde na área é algo que a equipa de Ruben Pereira ainda não encontrou em Portugal. “Tentámos contactar várias instituições, como a Alzheimer Portugal, sem sucesso. Temos tentado compensar ao pesquisar e ler muito sobre o tema”, diz o jovem. “A última coisa que queremos fazer é dar ideia que não pensamos nisto a sério.” Contactada pelo P3, a organização diz que não recebeu o pedido de contacto na sede de Lisboa, embora admita que se possa ter tratado de um problema de correspondência.

Para Ruben Pereira, os videojogos têm imenso potencial para “explorar problemas e temas complexos” na sociedade. Antes de Back Then, o foco do jovem português era The Irrational World of Damien, outro jogo que explora, mas do ponto dos mais novos. Foi criado enquanto estava na ETIC. “A ideia era explorar o impacto da negligência familiar. O personagem principal, o Damien, está sozinho no começo do jogo. Só tem um urso de peluche para o ajudar”, explica. Em 2018, valeu-lhe o prémio do público no festival de videojogos independente IndieX.

“É um projecto que quero muito acabar, mas o foco agora é o Back Then”, revela. “A verdade é que é muito fácil começar a fazer um videojogo. Há inúmeros tutoriais na Internet e ferramentas grátis. O difícil não é ter uma ideia, é ficar e levar uma ideia até ao fim. Especialmente quando não há muitos estúdios independentes, nem apoios por parte do Governo em Portugal.”

Com o festival MocheXL, Ruben Pereira espera chamar mais atenção para o seu novo jogo. “Não se pode ter medo de pôr o jogador na pele de personagens a viver situações complicadas”, conclui.”

+infos(fonte original): LINK

Tags : ,

Reportagem “Game Dev Camp reúne produtores de videojogos portugueses. Funcom está a recrutar em Portugal”

“Game Dev Camp reúne produtores de videojogos portugueses. Funcom está a recrutar em Portugal” por Rui Pereira in SapoTek

A conferência anual junta alguns dos principais produtores de videojogos portugueses, envolvidos em projetos nacionais e internacionais.

Realizado anualmente, o Game Dev Camp já é um ponto de encontro da indústria de produção de videojogos em Portugal e reúne produtores, programadores, artistas, músicos, designers e estudantes, sendo igualmente uma oportunidade de estar em contacto com editoras ou eventuais investidores nos projetos.

Este ano o evento tem lugar no Lispolis e promete diversas talks durante os dois dias (25-26 de outubro) com membros de destaque da indústria nacional e internacional, como é o caso de Rui Casais, o CEO da experiente editora Funcom, produtora norueguesa de jogos baseados em Conan; Ricardo Flores, presidente da Associação de Produtores de Videojogos; Marco Vale da Indot, Francisco Moreira da Doppio e Diogo Vasconcelos da Nerd Monkeys, que abriram o keynote do evento. Pode confirmar todos os oradores para os dois dias no website oficial do evento.

Marco Vale abriu as hostilidades referindo que o objetivo do evento era unir a comunidade de produtores de videojogos, salientando que todos têm desafios e problemas nos seus projetos. “A partilha de conhecimento entre os envolvidos é o que move esta comunidade de produtores”, destaca Marco Vale. Aproveitou para introduzir o website do Game Dev Camp, onde estão a ser reunidos os projetos nacionais, com informações dos jogos e até a possibilidade de os comprar quando são lançados.

“Quando alguém faz algo fantástico, toda a comunidade ganha com isso”, salienta o produtor, desafiando ainda os presentes a tentar adivinhar qual o próximo jogo português a ser um grande sucesso, entre os mais recentes Decay of Logos ou Strikes Edge, para referir exemplos.”Mas o que interessa é a partilha, daqueles que já conseguiram finalizar projetos e possam passar conhecimento aos seguintes, algo de útil à comunidade”, finaliza.

Para Ricardo Flores, a sexta edição do evento resulta num excelente ano para a indústria, destacando ainda o apoio da Funcom como parceira do Dev Camp. Destacou ainda a visita da Associação a Londres à procura de investimento em estúdios portugueses, assim como a enorme comitiva enviada para a Gamescom, um grupo organizado com diversos projetos nacionais.

À procura de talento
Rui Casais, o português que lidera a Funcom, explica que há 15 anos quando acabou os estúdios não havia estúdios em Portugal, por isso candidatou-se a um estágio na empresa e hoje em dia lidera uma das maiores editoras nórdicas, responsável por sete estúdios a produzir jogos de sucesso, entre eles Anarchy Online, Age of Conan, Conan Exiles e futuramente um novo título do universo Dune. Rui Casais refere que a sua presença não se tratou apenas por ser português, mas porque a sua empresa está a crescer e a recrutar, por isso o Game Dev é um local ideal para procurar talento.

A ZPX é uma empresa portuguesa que fazia produções para empresas internacionais, e um dos seus clientes era a Funcom. Recentemente surgiu a oportunidade de a empresa passar para o próprio portfólio da editora norueguesa, como estúdio interno. Em 2018 começou com 15 pessoas a trabalhar em projetos como Conan Exiles, Conan Unconquered e Mutant Road to Eden, e o mais recente Moons of Madness.

O crescimento do estúdio é evidente, contabilizando em dezembro de 2019 30 trabalhadores, e no final do próximo ano 50 pessoas, que irão ajudar a produzir Dune. Nesse sentido, está a fazer uma experiência chamada Indie Program, convidando produtores portugueses a trabalhar num workspace conjunto, a receber serviços de coaching, acesso a contactos através da sua network.

A ZPX vai lançar em breve um website para angariar candidatos, deixando ao público presente o desafio de participar. Rui Casais acrescenta que quer que a comunidade cresça, que aprenda, mas que não tem lugar para todos na sua empresa, por isso este programa passa por uma espécie de “captação” de talento, dando em troca a todos os interessados o conhecimento. Mas desafia todos, e dando como exemplo o seu currículo destaca que tudo pode acontecer…

+infos(oficial): LINK

Tags : , ,

Reportagem “Como o “gaming” já vale 250 milhões de euros na economia portuguesa”

Como o “gaming” já vale 250 milhões de euros na economia portuguesa” por António Sarmento e João Casimiro em ET CETERA

Portugal acompanhou a tendência de crescimento internacional neste mercado. A Worten e a Altice são algumas das grandes empresas que se associaram a esta indústria. Ao mesmo tempo, também aumenta a venda de componentes e o número de jogadores registados na Federação de Desportos Eletrónicos.

Entrar num estádio completamente cheio para assistir a dez jogadores a enfrentarem-se através de dez computadores poderá parecer um pouco estranho, mas não para quem é fã. Aos jogadores profissionais, tal como noutros desportos, exige-se comprometimento e profissionalismo. A possibilidade de competir com pessoas de outros países fomentou a indústria que, hoje, domina o mundo do entretenimento, à frente do cinema e da música. De acordo com a consultora em estudos do mercado de videojogos Newzooo, o mercado gerou uma receita de 136 mil milhões de euros, onde 48% dos gastos em videojogos são provenientes da China e dos Estados Unidos. O mercado dos videojogos divide-se em três grandes categorias: Mobile, Consolas e PC. Nos Esports (competição) os lucros gerados foram de aproximadamente mil milhões de euros, de acordo com a Newzoo, estando as receitas divididas entre patrocínios (410 milhões de euros), direitos de media (225 milhões de euros) , publicidade (170 milhões de euros), merchandising e bilhetes de eventos (92 milhões de euros) e, por fim, taxas de publicação dos jogos (85 milhões de euros).

“O gaming em Portugal tem evoluído de forma francamente positiva, sobretudo nos últimos cinco anos. O crescimento do setor a nível internacional fez com que o mercado nacional também acompanhasse esse crescimento e muitas das marcas multinacionais a trabalhar em Portugal receberam indicações das suas sedes internacionais para começarem a apostar no gaming e desportos eletrónicos também em Portugal. Se juntarmos isso à entrada de vários clubes desportivos ao mercado será fácil aferir que, tanto a nível comercial como de número de praticantes, o mercado está em franco crescimento. Uma prova disso é, por exemplo, o surgimento de vários eventos tanto de nível nacional como internacional em Portugal, assim como as mais variadas competições, em diversas modalidades de desporto electrónico, nos últimos dois anos”, explica ao Jornal Económico Pedro Honório da Silva, presidente da Federação Portuguesa de Desportos Electrónicos.

Em Portugal, o fenómeno também está a aumentar e são várias as marcas e empresas associadas a esta área do entretenimento. “A indústria do gaming tem uma relevância bastante significativa no mercado português. Estamos a falar de um mercado que tem, hoje, um valor estimado de 250 milhões de euros e uma comunidade de seguidores que não para de crescer”, diz ao Jornal Económico António Fuzeta da Ponte, diretor de Marca e Comunicação da Worten. De acordo com este responsável, a marca tem sido um dos impulsionadores desta indústria em Portugal, através da democratização do gaming, mostrando-o de uma forma apelativa para todos, independentemente da idade e do nível de performance de cada um. “Em abril deste ano fomos distinguidos com o prémio Esports Portugal para melhor parceiro comercial, que distinguiu as marcas que mais apoiaram e incentivaram, ao longo de 2018, a modalidade no nosso país. Este posicionamento tem contribuído para o desenvolvimento da indústria em termos de valor, mas também ao nível da perceção global do gaming, o que, na nossa opinião, tem um efeito agregador de gerações e de comunidades”, acrescenta.

A Worten quer, através da marca Worten Game Ring, ser uma referência em Portugal nesta indústria. “Temos sido um trendsetter na área do gaming em Portugal e isso é algo que nos deixa muito orgulhosos e satisfeitos – mas, ainda assim, cientes de que ainda temos muito para fazer e inovar. Vamos estar com gaming no Rock in Rio Lisboa em junho de 2020 e, já em novembro, vamos estar no Moche XL Games World com o conceito Worten Game Ring Fortshop que, além dos melhores descontos em gaming, vai dar azo a passatempos e prémios para os fãs de gaming e entretenimento”, refere António Fuzeta da Ponte.

Também a Altice Portugal, através da marca MOCHE, marca para o segmento jovem, tem vindo a desenvolver uma estratégia contínua para acompanhar esta tendência, sendo hoje reconhecido como a marca de telecomunicações que mais tem contribuído para o crescimento do gaming e dos eSports em Portugal.

“Prova da contínua aposta do MOCHE e da Altice Portugal nesta modalidade é a sua associação ao MOCHE XL Games World, enquanto naming sponsor, evento que decorre na Altice Arena entre 14 e 17 de novembro, e que irá disponibilizar uma diversidade de experiências que vão desde os primórdios da indústria do gaming à apresentação das últimas tendências e novidades”, diz fonte oficial da Altice Portugal ao Jornal Económico. Durante a edição deste ano do MOCHE XL ESPORTS, a Altice Portugal contribuiu para que esta fosse a primeira competição de gaming com cobertura 5G a nível mundial.

Em ambiente real e tendo o gaming como pano de fundo, a operadora garantiu também que a edição de 2019 fosse também palco da primeira emissão televisiva em Portugal, em parceria com a RTP, com a rede 5G. “Este foi um grande passo para apresentar todas as vantagens desta tecnologia a milhares de fãs desta modalidade que, com velocidades ultrarrápidas e baixa latência, eleva a experiência de jogo a um outro nível. Com este feito, a Altice Portugal, além de colocar o nosso país no pelotão da frente desta modalidade, potenciando iniciativas em grandes eventos e reforçando a aposta nos eSports, escreveu também um capítulo na História deste desporto”, acrescenta a mesma fonte oficial.

A operadora tem também como estratégia “colocar a tecnologia ao serviço das pessoas e ir ao encontro do que as pessoas procuram na tecnologia”. “Neste sentido, após o sucesso das duas edições do MOCHE XL ESPORTS, a Altice Portugal reforçou, uma vez mais, o seu compromisso com todos os amantes de gaming, tendo já anunciado a edição deste evento em 2020 em dois locais, nas duas maiores arenas do país: Fórum Braga e Altice Arena.”

Crescimento na venda de componentes
A empresa PCDIGA nasceu em 2003, numa altura em que se contavam pelos “dedos de uma mão” as lojas que atuavam neste ramo. Cresceu juntamente com o mercado até se tornar um dos principais estabelecimentos em Portugal no mercado dos componentes e hardware informático. “Houve efetivamente nos dois últimos anos um crescimento mais acentuado na venda de componentes que proporcionem a montagem de computadores de alto desempenho para gaming. Contudo, na PCDIGA o gaming sempre teve grande relevância no volume de negócio e, quando esta ‘febre’ do gaming chegou estávamos perfeitamente preparados para as exigências do mercado e encarámos com relativa normalidade a tendência. Até porque conhecemos bem o mercado e sabíamos que se tratava de uma área de negócio ainda algo ‘adormecida’ até então e com muita margem para crescimento. Para muitos foi uma surpresa, para nós nem tanto”, explicou ao Jornal Económico Nelson Arrifes, head of marketing & Web Content Manager da loja.

Em relação às principais diferenças entre o publico-alvo desde a fundação até à atualidade, explica que “não mudou assim tanto”. “Sempre foi e continuará a ser o geek. Aquele utilizador informado sobre as tendências do mercado tecnológico e que respira tecnologia. A diferença é que antigamente muitos entravam neste mundo pelo fascínio do hardware em si e pela tentativa de descobrir os limites desse mesmo hardware. Rapidamente esses utilizadores se tornavam pro-users. Hoje em dia, muitos não conhecem ao detalhe esse hardware e tecnologia, mas procuram esses mesmos produtos com o intuito que lhes sirva para as necessidades do dia a dia – seja para gaming, trabalho, redes sociais, etc. Os tempos são outros. A maioria quer algo mais out of the box”.

Evolução de jogadores em Portugal
A Federação Portuguesa de Desportos Eletrónicos está em crer que o número de praticantes das diversas modalidades dentro do desporto electrónico ultrapassará, em Portugal, um milhão de praticantes. À data de hoje, segundo Pedro Honório da Silva, existem cerca de 65 equipas e mais de 400 atletas registados e no próximo ano essa entidade acredita que pode chegar às 100 equipas e mais de dois mil atletas registados.

“Estou em crer que no próximo ano conseguiremos que o Governo Português reconheça o desporto electrónico como um desporto de facto, sendo que isso permitirá que a Federação Portuguesa de Desportos Electrónicos execute, de forma cabal, os objectivos a que se propôs na sua missão. Este ano já anunciámos a realização dos Qualificadores Nacionais para o 11.º Campeonato Mundial da IeSF (International Esports Federation) e estou certo que aparecerão ainda mais competições dentro do calendário competitivo da Federação em 2020 e anos subsequentes. Em suma, estamos confiantes de que o mercado continuará a crescer e que, se tivermos a capacidade de envolver o Governo, teremos a possibilidade de o fazer crescer de forma sustentada e equilibrada, com foco na educação e na prática saudável”, conclui Pedro Honório da Silva.

+infos(oficial): LINK

Tags : , ,

Uma reportagem: Depois da Bélgica a república checa, sempre no mundo dos videojogos

Depois da Bélgica a república checa, sempre no mundo dos videojogos

“Bernardo Ruas tem apenas 26 anos, mas soma já a sua segunda experiência internacional. Natural de Viseu, emigrou a primeira vez há dois anos para Courtrai, na Bélgica, onde esteve trabalhou como artista 3D durante 10 meses numa empresa de videojogos. Depois desse período regressou ao nosso país, que voltou a abandonar em maio deste ano para partir para uma nova “aventura” lá fora.

Atualmente, este viseense, licenciado em design de jogos digitais, encontra-se em Brun, a segunda maior cidade da República Checa. “Trabalho como 3D outsourcing manager na Hangar 13. Foi onde encontrei trabalho na minha área numa empresa de renome mundial”, explica.

Bernardo diz que a mudança para a “cidade dos estudantes” da República Checa seu “foi ótima”. “Consigo arrendar uma casa maior, recebo mais e a qualidade de vida é superior. Os únicos problemas são mesmo as saudades da família, amigos e de alguns produtos alimentares específicos do nosso lindo Portugal”, sustenta.

Há cinco meses na República Checa, este emigrante garante que nunca se sentiu posto de lado ou mesmo discriminado por ser estrangeiro. Para isso, ajuda estar empregado numa companhia “multinacional que alberga pessoas dos quatro cantos do mundo”. “A comunidade portuguesa também é grande em Brun por isso consigo falar a minha língua todos os dias”, conta.

Na cidade que agora é a sua “casa”, Bernardo destaca “a boa comida, os bons transportes”, a “floresta típica com poucos eucaliptos” e as regalias que a empresa onde está a trabalhar lhe oferece. “Não gosto da capital. Praga está demasiado popularizada, estando cheia de turistas. Em alguns sítios de Brun consegue-se ver uma grande diferença social num espaço de minutos. Há muitos sem abrigo e toxicodependentes nas ruas”, relata.

Desde que partiu para a República Checa, este viseense nunca mais regressou a Portugal, mas tenciona voltar “em breve”. Quanto a um regresso em definitivo a terras lusitanas, Bernardo Ruas diz que, embora gostasse, essa é uma hipótese que não equaciona enquanto “não tiver trabalho devidamente recompensado”.”

+infos(fonte original): LINK

Tags : , ,